MÃE 

A CONSELHEIRA

MARCEL SOUZA

Costumamos ouvir por aí que só temos uma certeza na nossa vida: a morte. Quando se fala em destino, é uma verdade. Mas outra certeza vem da nossa origem: certamente temos um pai e uma mãe.

 

Sabemos também que há muitos casos de mães solteiras por aí, portanto podemos dizer que a certeza que realmente todos temos é o de ter uma mãe.

 

Longe de querer desmerecer o papel dos pais, a presença materna é marcante em nossas vidas. Seja na infância, adolescência, ou até na fase adulta, elas costumam estar sempre presentes. Principalmente nos momentos mais importantes, estão sempre dispostas a nos apoiar e ajudar.

 

João tem vinte e oito anos e, embora esteja há alguns anos pensando em alugar um apartamento para morar sozinho, ainda mora com sua mãe Beatriz.  Quer ter um pouco mais de independência, viver a vida do seu jeito, porém, quando alguma dificuldade aparece a sua frente, ela é sempre a primeira pessoa a quem ele procura.

 

Certa vez, João estava sendo injustamente acusado por uma ocorrência na empresa em que trabalhava, uma vez que ele também havia sido envolvido pelo funcionário que realmente havia cometido a irregularidade. Era quase final do seu expediente, quando recebeu uma ligação do departamento de auditoria, solicitando explicações. João não acreditava no que estava acontecendo. Quando desligou, não tinha palavras nem reação, estava com muito medo de ser demitido por justa causa e ficar com sua carreira profissional manchada por algo que não tinha feito. Era vítima, assim como outros colegas e clientes.

 

Chegou em casa e precisava desabafar. Chamou a mãe para conversar e passou duas horas contando o que pensava e o que tinha ouvido do auditor. E foi só conversando com ela que conseguiu se acalmar. Seguia nervoso, é claro, pela seriedade do assunto, mas conseguiu relaxar um pouco a cabeça e sair com amigos naquela mesma noite.

 

Durante os dias seguintes, a mãe seguiu sendo uma importante conselheira para ele enfrentar esse grave problema e, ao fim da investigação, levar somente uma leve advertência.

 

Logo após resolvido o caso, João finalmente encontrou um bom apartamento com a localização que pretendia e dentro do orçamento que podia comprometer com o aluguel. Com o negócio fechado, vinte dias depois, João se mudou e conseguiu ter a independência que sonhava. Mas quando tem algum assunto importante, ele liga ou faz uma visita à Beatriz.